domingo, 30 de agosto de 2015

PAPO AMARELO – O PRIMEIRO TIRO NA TELA DO GALPÃO DAS ARTES

11 de setembro será lançado o filme PAPO AMARELO no Ponto de Memória Galpão das Artes em três sessões,manhã, tarde e noite em sessão especial somente para convidados às 19:30 horas. Entre estudantes , professores, artistas e público em geral também participarão de uma roda de diálogo após cada exibição do filme nas sessões da manhã e tarde.Com este lançamento o Centro de Criação Galpão das Artes reativa em sua nova casa reabriu suas portas em setembro do ano passado. A Fundação Cultural Cabras de Lampião, que este ano celebra 20 anos, tendo nascido como Grupo de Xaxado Cabras de Lampião e ampliado suas ações e eventos culturais se tornando O BANDO DA CULTURA DO NORDESTE, embarcou esse ano numa nova empreitada, o áudio visual, com o filme em curta metragem PAPO AMARELO – O PRIMEIRO TIRO, com roteiro e direção de Anildoma Willans de Souza e toda a mão de obra local, dos técnicos aos artistas que compõem o elenco dessa obra que vem recheada de história.

O filme narra um final de tarde, os três irmãos, Virgolino, Antonio e Livino Ferreira, estão em suas montarias conduzindo quatro ou cinco reses. Ao passarem próximo a duas gigantescas pedras, nas imediações da Fazenda Pedreira, uma emboscada está pronta, montada por Zé Saturnino e seus homens. Um único disparo é dado, que atinge Antonio Ferreira no abdome. Assim que executam o disparo, os pistoleiros correm pela caatinga adentro. Os emboscados apenas se protegem, por alguns instantes. Ao verificarem que não estão mais atirando vão socorrer o ferido. Dias depois as duas partes envolvidas estão no Fórum, atendendo ao chamado do Juiz de Direito, que, sem muitas delongas, emite a sentença proibindo a família Ferreira de vir a Vila Bela, obrigando a vender o sítio. Se não aceitarem, deverão procurar um advogado. Virgolino sai do Fórum dizendo que iria providenciar um advogado, quando, na verdade, entra numa loja, compra três rifles PAPO AMARELO e várias caixas de munição e avisa aos presentes – Já tenho meus advogados e testemunhas pra enfrentar Saturnino e sua lei. A partir desse momento o sertão passa a ter cheiro de pólvora. E o nome de LAMPIÃO começa a parecer. 
Papo Amarelo foi preparado com esmero, por se tratar de um fato real acontecido há quase 100 anos. A fotografia e câmera ficou a cargo de Camilo Melo que tem uma vasta experiência na área e que cuidou também da montagem e edição.O filme está bonito, coerente com a história real e mostra Vila Bela (Serra Talhada) de maneira imponente e sutil, uma cidade que dispõe de belezas naturais, culturais e artísticas significativas e que merecem ser vistas pelos quatro cantos do mundo”, diz Anildomá, contente com o resultado da obra.

sábado, 8 de agosto de 2015

Ponto de Memória Galpão das Artes recebe exposição de fotos do Projeto Movimento Mergulhão

As fotos do cortejo cultural do Movimento Mergulhão, captadas pelas lentes dos fotógrafos potiguares Rodrigo Sena e Vladimir Alexandre vão fazer parte da Exposição de Fotografias do Movimento Mergulhão. A exposição está aberta até o dia 11 de agosto no horário comercial de 8 a 12 horas e de 14 às 16 horas no Ponto de Memória Galpão das Artes
O Governo Federal, através do Ministério da Justiça, liberou recursos para a implantação do projeto “Movimento Mergulhão” em Ferreiros. O projeto realizado  pela Prefeitura de Ferreiros, foi implantado com o intuito de revitalizar o cavalo-marinho na comunidade, que  se encontrava extinto e existia apenas na memória de alguns mestres e fazedores da cultura popular. 
O projeto contou com oficinas de dança, teatro, música, canto e figurino, relacionadas ao folguedo.  Para marcar o sucesso da iniciativa, foi realizado no dia 07 de dezembro de 2014, o cortejo cultural pelas ruas da cidade, onde as crianças e jovens apresentaram  o seu  cavalo-marinho.
O projeto encerrou o seu prazo, mas a Prefeitura Municipal de Ferreiros, através da Secretária de Educação e Cultura, deu continuidade ao movimento com recursos próprios. Hoje  o município oferece aos jovens e crianças oficinas de percussão, dança e rabeca. Dessa forma, a cidade r


esgata a sua identidade cultural e trabalha a inclusão social na comunidade.